Os websites são essenciais para qualquer empresa, pois dá a conhecer os seus produtos aos clientes. Fique a saber como criar e gerir um website.

Não é novidade que a presença no mundo digital de qualquer instituição, empresa ou até projeto é uma necessidade. Desta forma, a existência de redes socais não é suficiente se não existir um website e vice-versa. Ainda que pareça complicado criar um website, hoje em dia existem plataformas que lhe permitem criar websites com relativa facilidade. Para tal, neste artigo, vamos dar-lhe a conhecer algumas dessas plataformas e quais os fatores a ser tidos em conta no momento de como criar e gerir um website.

É de realçar que o website é o cartão de visita e a morada oficial no mundo online da sua empresa, assim sendo caso tenha dúvidas se deve ter ou não website para a sua empresa veja o artigo ‘5 razões para ter um Website.

Passos para criar um website

A criação de um website requer planeamento e existem etapas que não podem ser esquecidas. Vamos por isso, simplificar os passos que devem ser tidos em conta no momento de criar e gerir um website.

  • 1º Passo Criar o domínio

  • 2º Passo – Escolher o alojamento

  • 3º Passo – Escolher a plataforma

1º Passo – Criar o domínio

O domínio é composto por um nome e por uma extensão. O nome é o que permite identificar o proprietário do website. Por sua vez, a extensão é o que completa o link do website. Exemplos de extensões são “.pt”; “.net”; “.org”. Portanto, as extensões podem e devem ser relacionadas com o website, exemplo disto são os websites de organizações não governamentais é  comum o uso da extensão “.org”.

O domínio é registado durante um ano. Após a passagem desse período pode ser renovado pelo seu proprietário anualmente. Assim, a compra de um domínio próprio é muito importante, na medida em que garante que mais ninguém usa o mesmo nome. Caso um domínio não esteja registado, outra pessoa pode adquirir o endereço que nos pertence. Desta forma, ao fazer o registo, estamos a salvaguardar a nossa morada online.

Para garantir que o domínio escolhido está disponível existe uma base de dados denominada de Whois, onde é possível ver os dados dos proprietários de todos os domínios do mundo e a data que estes expiram. Mas, caso o proprietário pretenda, pode pagar para ter um Whois privado, deixando de ser possível aceder aos seus dados.

Para além de salvaguardar a marca, o domínio próprio é igualmente importante porque:

  • Oferece credibilidade ao público;
  • Ajuda na divulgação, pois quanto mais curto mais facilmente será memorizado e, consequentemente, mais fácil de divulgar;
  • Aumenta o número de acessos, devido aos motores de busca darem preferência a domínios próprios;
  • Permite que seja criado um email institucional e confere independência ao proprietário do domínio, que passa a poder alterar de plataforma sem perder dados.

Em Portugal, a empresa Domínios, regista domínios com as extensões mais usadas (“.pt”; “.com”; “.org”; “info”)  a partir de  15,95€/ano. Os domínios com extensões menos comuns como “.me” ou “.co”, podem ir desde os 22,95€/ano até aos 79,00€/ano. Para além da Domínios, na Associação DNS.pt também é possível registar domínios com “.pt” e restantes extensões a partir de 28,29€/ano.

2º Passo – Escolher o alojamento  

Nesta etapa é escolhido o local para o website se manter online e por armazenar o conteúdo que for inserido. Por outras palavras, o alojamento é um serviço de armazenamento e disponibilização de um website, que permite que este esteja sempre online. 

Existem muitos tipos de alojamento e quando a escolha é feita, deve ser, essencialmente, considerada a compatibilidade com o Sistema de Gestão de Conteúdo (CMS) e o seu preço. Ainda que existam alojamentos gratuitos, estes apenas devem ser utilizados numa fase inicial. Já, numa fase já mais avançada, é comum os clientes das agências de comunicação optarem por um alojamento compartilhado, devido a este tipo de alojamento, o servidor é partilhado por diversos clientes.

Outra forma de armazenar conteúdos de websites é através do Servidor Virtual Privado (VPS). Este servidor é recomendado para quem tenha vários websites ou para websites que tiveram um crescimento significativo. Deste modo, este servidor ajuda a que, mesmo com um maior nível de afluência, este continue a funcionar e esteja sempre disponível sem haver quebras no servidor.

O pagamento dos serviços de alojamento são feitos anualmente. Alguns exemplos de servidores em Portugal são GoDaddy, Wehbs, PTServidor, IberWeb e Dominios.pt. Os preços variam entre 15€/ano até 1 200€/ano, dependo dos servidores e do tipo de alojamento.

3º Passo – Escolher a plataforma 

Para que o website seja visto online é necessário escolher uma plataforma onde serão depositados os seus conteúdos, ou seja, a estrutura que o fará funcionar. Para tal, existem plataformas gratuitas, pagas e algumas que oferecem ambos os serviços. Em contrapartida, a desvantagem de ser gratuitas é que, em maior parte dos casos, são muito limitadas.

A plataforma mais conhecida e usada é o WordPress, segundo o estudo feito pela W3Techs no dia 1 de junho de 2020, estimou-se que 63,4%  dos sites mundiais eram criados neste Sistema de Gestão de Conteúdo (CMS). Para além, do WordPress existe outras plataformas para criar websites tal como o Wix, o WeeblyWeebnote.

WordPress vs Wix

O WordPress oferece 4 planos diferentes para criar um website. Os preços variam desde 48€/mês até 540€/mês consoante as funcionalidades que quer para o website da sua empresa .

Já a plataforma WIX separa os seus planos em duas categorias, uma para particulares outra para empresas. Os preços variam desde 54€/mês até 420€/mês consoante as funcionalidades que quer para o website da sua empresa.

Tanto o WordPress como o Wix têm os seus pontos fortes e fracos no que que toca à criação e gestão de websites. De seguida, iremos sistematizar as vantagens e desvantagens de cada plataforma.

Plataforma Vantagens Desvantagens
WordPress – Mais usada no mundo para criar websites ( 63,4%);  
– Maior segurança, porque somos o responsável pelo website.
– Requer um servidor externo para o alojamento do website;
– Requer algum conhecimento técnico básico para instalar e configurar algumas ferramentas.
Wix – Mais intuitivo (não requer conhecimento de código); 
– O alojamento está integrado no Wix.
– Menos usado para criar websites (2,4%);
– Menor segurança, porque quem é responsável pelo website é o Wix.

Depois destes passos estarem concluídos, é hora de começar a definir objetivos e criar conteúdos. Os websites, por norma, não são atualizados tantas vezes como as redes sociais. No entanto, devem ser adicionadas informações com alguma regularidade.

Assim sendo, para facilitar essa atualização, muitas empresas têm páginas como notícias ou um blog no seu website, onde são colocados conteúdos relacionados com o produto/serviço da empresa. Para finalizar, caso a sua empresa ainda não tenha website e está a pensar em fazer o seu, a Blue Bolt tem profissionais qualificados para ajudá-lo na construção do seu website tal como idealizou para a sua empresa.